A água conecta a bacia, a Internet nem tanto

A água conecta a bacia, a Internet nem tanto
novembro 30, 2021 AmazCitSci


 

A bacia amazônica continua sendo um dos lugares com menos acesso à Internet

A Internet é uma rede de redes, uma forma de enviar informações pelo mundo.  Essas informações são enviadas por meio de sinais de onda (eletricidade, luz, microondas, ondas de rádio, etc.), usando protocolos padrão que permitem que receptores e usuários interpretem os sinais de onda.  Embora o mundo esteja cada vez mais se conectando com pelo menos 4,6 bilhões de pessoas que utilizam a Internet, existem alguns lugares que ainda são remotos.  A floresta amazônica é um desses lugares.

Por que é tão difícil se conectar à Internet na floresta amazônica?  O acesso mais rápido à Internet hoje vem de cabos de fibra ótica que enviam informações na velocidade da luz.  Esses cabos frágeis foram inventados na década de 80 e precisam ser colocados em caixas caras para protegê-los.  Até agora, eles foram colocados principalmente debaixo d’água para conectar continentes, onde, uma vez que chegam ao continente, as informações são transmitidas de alguma outra maneira.  Por ser o coração da América do Sul, a Amazônia é uma das áreas mais distantes dos cabos de fibra ótica da costa e poucas são as redes terrestres que alcançam a Bacia (ver mapa 1).  Para instalá-los, seria necessário não apenas um grande investimento do governo e de empresas privadas, mas uma grande quantidade de desmatamento.

Mapa de Infrapedia.com/app: Mostra os cabos que conectam os sistemas da Internet.  Vá para o link para informações mais detalhadas.

Ao mesmo tempo, os esforços de conservação muitas vezes precisam de acesso à Internet para funcionar.  A Rede de Ciência Cidadã para a Amazônia é motivada por muitos dos mesmos objetivos da Iniciativa Águas da Amazônia, mas visa usar a ciência cidadã para entender melhor os peixes migratórios e os fatores que afetam sua migração.  No entanto, até agora os dados estão concentrados em algumas regiões.  O Dr. Thiago Couto (Florida International University) e Guido Herrera (candidato ao Ph.D. pela University of Tennessee) lideram o esforço para mapear os fatores que podem influenciar onde a rede focará seus esforços.  Esses fatores são muitos: (1) Fatores biológicos: Onde precisamos de amostras de dados para capturar o ciclo de vida completo dos peixes migratórios?  Precisamos de dados de lá;  (2) Importância para a pesca – Onde os pescadores usarão os dados e, portanto, conduzirão a coleta de dados ?;  (3) Fatores relacionados aos dados – Onde estão as lacunas e vieses no conhecimento atual?  e finalmente (4) Logística – fatores como a localização dos parceiros e, talvez o mais importante em um projeto de ciência cidadã que usa um aplicativo móvel, o acesso à Internet.

Em vez disso, o melhor acesso à Internet na Amazônia parece vir de redes celulares.  Usando dados disponíveis publicamente, o Sr. Herrera criou um mapa da acessibilidade da população às torres de telefonia celular com internet móvel (veja abaixo).  As redes de telefonia móvel dependem dessas torres, que têm seus próprios limites.  Por exemplo, em áreas não florestadas, ondas em frequências que os dispositivos celulares têm um alcance de aproximadamente 1 km e dependem de antenas para captá-las e retransmiti-las em distâncias maiores por meio de conexões a outras antenas ou a redes eletrônicas terrestres (fiação de cobre) ou cabos de fibra ótica.  Com a selva, esse alcance pode ser muito menor.  Usando estimativas populacionais na Bacia Amazônica, o Sr. Herrera estimou que cerca de 27 milhões dos 55 milhões de pessoas que vivem na bacia (~ 48%) vivem a 1 km de uma torre de telefonia móvel.  Aqueles que não moram nas periferias das cidades ou em locais sem grandes aglomerações.

Mapa criado por Guido Herrera, University of Tennessee.  A cor da paisagem indica a distância a  que se encontra essa parte do mapa em relação a uma torre de telefonia móvel: o branco indica que está muito perto de uma torre de telefonia móvel e o verde que está muito longe (veja a legenda de  a direita).  Os pontos azuis indicam as principais cidades da região.  A bacia está dividida em sub-bacias.

Como melhorar o acesso à Internet na Amazônia sem desmatar?  O Google estava trabalhando em um projeto chamado “Loon” que usaria balões de ar quente para cobrir uma área mais ampla do que as torres de telefonia celular e, assim, permitir um melhor acesso à Internet.  No entanto, com seu fechamento em janeiro de 2021, as esperanças de acesso à internet parecem limitadas à internet via satélite.  Atualmente, os dispositivos móveis não podem alcançar satélites (embora, com telefones por satélite especializados, os amazonenses possam acessar a Internet), mas a SpaceX (Starlink), a Amazon (a empresa; Projeto Kuiper) e Pequim têm investido em tecnologia de banda larga via satélite.  Esses projetos visam criar satélites em uma altitude mais baixa que poderiam ser usados ​​em lugares como a Amazônia para expandir o acesso à Internet.  Engenheiros também propuseram a possibilidade de instalar cabos de fibra ótica nos próprios rios da Amazônia – embora um cabo que vai de Manaus a Iquitos ao longo do tronco principal custasse pelo menos 500 milhões de dólares – e um projeto do governo brasileiro, Amazônia Conectada, permanece sem financiamento.  Resta saber se essas iniciativas funcionarão, se serão acessíveis aos habitantes da Bacia e se respeitarão o meio ambiente.

Enquanto isso, a Amazon conta com mais redes locais.  Aqueles de nós que viajaram pelo tronco principal do rio viram os operadores dos barcos conversando entre si por meio de walkie-talkies ou telefones celulares de baixa largura de banda, dizendo uns aos outros como está rio acima, para saber se é seguro desembarcar.  Torres de telefonia móvel ao longo dos rios conectam as pessoas na Amazônia, mas acima de tudo, o rio as conecta.  Em todas essas conexões pessoa a pessoa mediadas pela tecnologia está subjacente ao conhecimento das próprias águas: uma relação que remonta gerações e que consiste em saber como é o rio quando bate e quando recua.


Escrito por Natalia Piland
 
Outras leituras:
 
 Explicação sobre o funcionamento da Internet:
 https://roadmap.sh/guides/what-is-internet
 
 Explicações sobre infraestruturas específicas
https://en.wikipedia.org/wiki/Submarine_communications_cable#Optical_telecommunications_cables
 https://en.wikipedia.org/wiki/Cellular_network
 https://en.wikipedia.org/wiki/Extremely_high_frequency
https://www.bbc.com/news/technology-55770141
 
 Proposta de cabo subfluvial na Amazônia:
 https://tnc16.geant.org/getfile/2321h
 
 Artigo de opinião sobre investimentos importantes na Amazônia:
 https://news.mongabay.com/2020/04/investing-in-amazon-rainforest-conservation/
 
 Relatório sobre o acesso global à banda larga:
 https://en.unesco.org/news/new-report-global-broadband-access-underscores-urgent-need-reach-half-world-still-unconnected
 
 Para obter mais informações sobre o mapeamento da rede elétrica, (eletricidade também é necessária para acessar a Internet), consulte:
 https://engineering.fb.com/2019/01/25/connectivity/electrical-grid-mapping/
 
 Um caso de investimento para expandir o alcance da Internet no Peru:
 http://latamsatelital.com/hughesnet-se-lanza-peru/
 
 Mapas e conjuntos de dados relevantes:
https://data.apps.fao.org/map/catalog/static/search?keyword=Cellular
 https://www.infrapedia.com/app
 https://time.com/3221958/internet-map/